• Redação Nova Brasil América

Joe Biden anunciou restrições para prisões do ICE

As prisões de imigração em tribunais serão mais limitadas do que no governo do presidente Donald Trump, em uma mudança de política anunciada pelo governo Biden.




Os agentes de imigração e fiscalização alfandegária não estariam mais autorizados a realizar prisões de rotina em tribunais, uma prática que o secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, disse que desencoraja as pessoas de comparecer a audiências judiciais e cooperar com as autoridades policiais.


O ICE pode fazer prisões em tribunais em casos que envolvam questões de segurança nacional ou se a pessoa representar uma ameaça à segurança pública. Os agentes também podem prender alguém que é alvo de uma perseguição ativa ou que as autoridades suspeitam que possa destruir provas em um processo criminal, disse Mayorkas em um comunicado anunciando a nova política.


Alguns defensores acreditam que a nova política não vai longe o suficiente. Naureen Shah, advogado sênior e conselheira política da American Civil Liberties Union, disse que as exceções para a segurança nacional e pública são muito amplas e a mera presença de autoridades de imigração perto de tribunais pode fazer com que as pessoas tenham medo de buscar proteção legal, sejam as prisões feitas ou não.

Shah pressionou a administração Biden a também limitar a presença de ICE em escolas e hospitais, restringir o uso da força e acabar com a prática de trabalhar com as autoridades locais para ajudar nas deportações. A nova política faz parte de um realinhamento mais amplo da política de imigração sob Biden, cujo governo reverteu algumas das medidas mais restritivas de seu antecessor.


Em fevereiro, o governo instruiu o ICE de forma mais ampla a se concentrar apenas nas pessoas que representam uma ameaça, que cometeram crimes graves e crimes sexuais, ou que têm condenações recentes por dirigir sob o efeito do álcool.

As prioridades são semelhantes ao que foi feito sob o presidente Barack Obama, mas são mais restritivas do que sob Trump, cuja administração procurou prender e remover qualquer pessoa ilegalmente no país, independentemente de histórico criminal ou laços com a comunidade. Além de itensificar as apreensões de rotina os agentes tinham 'carta branca' para deterem familiares, amigos ou testemunhas que poderiam ser deportadas devido ao seu status imigratório.

6 visualizações0 comentário